top of page

Duas maneiras pelas quais os microrganismos combatem as mudanças climáticas conosco.

Updated: Nov 27, 2018


Qual é a disposição das organizações e indivíduos para contribuir para a mitigação das mudanças climáticas? Nós: Mind the Microbes, não somos os únicos com a vontade de trabalhar pelo meio ambiente. Nosso compromisso é construir uma plataforma para que todos possamos participar de atividades que promovam o desenvolvimento sustentável. Microrganismos podem ser uma ferramenta útil para superar muitos dos desafios ambientais e o primeiro passo da nossa fundação é fornecer informações sobre os mecanismos de mitigação dos gases de efeito estufa que contribuem para as mudanças climáticas.


A medição de gases de efeito estufa é uma maneira de quantificar o impacto negativo da atividade humana no meio ambiente. Esse impacto está diretamente relacionado ao aumento da temperatura global, que produz mudanças climáticas extremas. Os micróbios são fundamentais nos ciclos de metano e dióxido de carbono (dois dos principais gases do efeito estufa) e podemos usar as capacidades dos micróbios para combater as mudanças climáticas. Neste post vamos descrever duas maneiras pelas quais os micróbios nos ajudam neste desafio ambiental:


1. Micróbios que produzem combustível:

As principais emissões de gases de efeito estufa antropogênicos (produzidos por atividades humanas) vêm da combustão de combustíveis fósseis, portanto, uma transição energética é uma das formas de combater as mudanças climáticas. Existem várias espécies de algas que podem nos ajudar nessa transição porque produzem um composto muito semelhante ao diesel (biodiesel). A produção deste combustível (a partir de algas) gera uma porcentagem muito menor de gases de efeito estufa, sem mencionar que um dos insumos no processo é o dióxido de carbono (um dos principais gases do efeito estufa). Isso significa vantagens de diferentes perspectivas para mitigar a mudança climática.


Exemplos de algas que produzem biodiesel a partir de águas residuais. Imagens editadas de www.keweenawalgae.mtu.edu, The Japanese Fresh-water Algae e www.geppe.net

Várias pesquisas são publicadas todos os dias, fornecendo respostas para melhorar o rendimento para a produção de biodiesel usando algas. Também empresas como a Airbus e a ExxonMobil tem direcionado recursos para obter esse combustível em escala industrial. As algas são organismos que usam luz e dióxido de carbono para produzir seus próprios alimentos (ver mais sobre algas), e é por isso que muitos projetos foram construídos em áreas desertas onde a incidência de sol é alta. O design dos reatores transforma a paisagem em uma obra de arte verde. Nós nos perguntamos: O que é necessário para tornar esse tipo de projeto mais popular?

Images: commerce.gov, @oaskoura e commerce.gov, Schott

2. Plástico feito de micróbios:

O plástico é um material derivado do petróleo e sua produção gera emissões de gases de efeito estufa, e sua degradação após o descarte pode levar milhões de anos. Encontrar um material alternativo que não tenha um impacto negativo sobre os solos e oceanos tem sido o foco de pesquisadores que estudam as moléculas chamadas PHAs (Polihidroxialcanoatos). Estes são polímeros produzidos por alguns microorganismos e possuem qualidades similares ao plástico derivado do petróleo. A vantagem do PHAs é que eles são rapidamente degradáveis ​​por meio de processos de compostagem. Muitos microrganismos que vivem no solo têm a capacidade de produzir este polímero, mas apenas sob condições especiais produzem PHAs que podem ser usados ​​em escala industrial.

Microrganismos com PHAs no interior da célula (1 e 2) e bioplástico observado em microscópio (3). Imagens: Bio-on.

Os microorganismos produzem PHAs usando uma fonte de alimento rica em açúcares. Dependendo das espécies de microorganismos, as condições de produção podem variar mas na maioria dos casos o açúcar é transformado em polímeros de carbono que se acumulam dentro da célula. No mundo, várias empresas estão apostando na produção de bioplástico e algumas (como a Bio-on) estão trabalhando no uso de fontes de alimento obtidas de resíduos com uma alta quantidade de açúcares (como os derivados das plantações de batata).


Estes são apenas dois exemplos das formas infinitas pelas quais os microrganismos podem ser nossos aliados, reduzindo a quantidade de gases de efeito estufa na atmosfera, avançando a transição de energia e evitando a contaminação de ambientes com plásticos. A resposta aos problemas ambientais que enfrentamos pode ser vista através de um microscópio.

102 views0 comments

Recent Posts

See All

Comments


bottom of page